Vale do Taquari | Palestras do primeiro dia focam em segurança alimentar e mercado
19/05/2017

O Seminário Segurança de Alimentos foi aberto por Cristina Leonhardt, da Tacta Food School, que ministrou a palestra “Protegendo o consumidor de riscos físicos, químicos e microbiológicos”.

 

               Para impedir que perigos relacionados aos alimentos cheguem ao usuário final, foram apresentadas ações abrangentes de proteção que envolvem boas práticas de fabricação, legislação e aplicação da Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC). De acordo com ela, é inevitável que ocorram falhas e que erros cheguem aos consumidores, mas ninguém se isenta da culpa alegando que não conhece os procedimentos e as normas. Se dirigindo a um público composto basicamente por empresários e técnicos, Cristina lembrou dos riscos envolvidos com a produção de alimento e alertou para a constante necessidade de qualificação, pois quanto mais preparados estiverem os profissionais, melhor o desempenho de todo o negócio. Ela constatou: "Protegendo o consumidor, se garante a longevidade da própria empresa" e ainda provocou: "Vocês são agentes de mudança. Repensem sua atuação".
              No painel "Cuidados higiênicos sanitários para evitar a contaminação microbiológica de alimentos", Mirian Herrmann, da Alta Consultoria, exibiu dados alarmantes: cerca de 200 doenças podem ser causadas por alimentos e 90% delas vêm de micro-organismos, sendo que a indústria influência nesses números. Citando fatores relacionados à agua, PH, nutrientes, temperatura, umidade, atmosfera, embalagem e transporte, ela descreveu as condições ideais para proliferação de bactérias e ressaltou a importância da adoção de procedimentos de controle que impeçam a contaminação. "É preciso avaliar todas as etapas para evitar falhas e garantir a integridade do consumidor", afirmou, salientando também que o mais indicado é o monitoramento preventivo dos processos, o que deve acontecer em toda a cadeia produtiva, desde a recepção da matéria-prima até a distribuição do produto final. Como o alimento é ingerido pelo homem e muitos dados podem ser causados a sua saúde, Mirian advertiu: "Conheça com o que está lidando e minimize possíveis condições para evitar qualquer contaminação do alimento".
              Com a afirmação de que a população é composta por sete bilhões de pessoas e que a atividade humana altera o ambiente natural da vida, a professora doutora da Univates, Liana Johann, introduziu o tema “Controle integrado de pragas”. Segundo ela, são consideradas efetivamente pragas aquelas que provocam danos econômicos superiores aos custos necessários para seu combate. Na área urbana, as mais comuns são ocasionadas por pulgas, formigas, baratas, moscas e mosquitos, entre outros. Como consequências, esses organismos danificam plantas, comprometem a qualidade do alimento e transmitem doenças. Liana também enfatizou o papel dos profissionais capacitados para identificar e solucionar os casos: "Não funcionam mais aquelas fórmulas prontas. O controle clássico de pragas não resolve o problema”. Destacando que uma ação química pode afetar a saúde humana, ela sugeriu a adoção do controle biológico, através do qual se utiliza um fenômeno natural do ambiente para resolver os problemas de proliferação e cujas vantagens são a inexistência de efeitos colaterais no sistema produtivo, alto nível de controle e ausência de efeitos prejudiciais ao homem.

Mercado e investimentos
              Iniciando o ciclo de palestras sobre mercados e investimentos, o professor doutor da Unisinos, Sílvio Bitencourt da Silva, desenvolveu o tema “Como obter verbas do governo para projetos inovadores". Ao relatar que a Lei da Inovação determina que o governo federal disponibilize recursos para projeto inovadores, Silva expôs dados do IBGE que apontam que, entre 2012 e 2014, 17,3 mil indústrias utilizaram incentivos públicos. Tais recursos derivam da União, Estados e agências reguladoras e são disponibilizados através de 14 instrumentos, entre os quais estão bolsas de estudo, concessão do Auxílio à Pesquisa e Infraestrutura, empréstimos, bônus tecnológicos e incentivos fiscais. O professor lamentou que a indústria de alimentos e bebidas ainda tenha um perfil conservador e que mudanças em produtos e processos ainda sejam, em sua maioria, apenas incrementais. "É papel do governo assegurar o ambiente de negócios adequado para que empreendedor faça sua tarefa. Quem possuir projetos bem elaborados e estratégia de inovação, vai ter acesso garantido aos recursos", anunciou.
              Coube ao diretor de negócios da Sicredi Vale do Taquari, Maikel Zenkner, explanar sobre os tipos de financiamentos para as empresas que querem investir. Ele apresentou o portfólio trabalhado pela cooperativa, observando as opções disponíveis que variam entre linhas de crédito com recursos próprios administrados pelo Sicredi, e as que são via BNDES. Zenkner citou alternativas para compra de veículos, máquinas e equipamentos, capital de giro, entre outras demandas, e afirmou que a estratégia mais acertada é se informar. “Quando tiverem a necessidade, procurem uma agência, exponham o projeto e assim conseguiremos apresentar as melhores soluções”.
              A última palestra do dia foi do diretor-presidente da Rede Imec, Leonardo Taufer. Quinta maior rede de supermercados do Estado, a empresa simboliza o perfil de parte do mercado buscado pelas indústrias. Taufer afirmou que 85% das vendas são concentradas em gêneros alimentícios, dando uma ideia da dimensão comercial existente neste segmento. Ele pontuou vantagens e obrigações para quem fornece para redes de supermercados, bem como a política da Imec pela qualidade e segurança alimentar. Ao comentar como vender, deu exemplos que envolvem os passos dos fornecedores e os objetivos de quem compra: “Atendimento de pré-requisitos legais de fabricação e comercialização são essenciais para garantir segurança e reputação à marca, ao negócio e à própria rede”, sentenciou.

Programação de sexta-feira
8h - Abertura
8h30min - Apresentação dos expositores
9h15min - Rodada de Negócios
11h15min - A implantação das boas práticas de fabricação para legalização das ervateiras no Rio Grande do Sul - Bruna Bresolin Roldan, engª de alimentos da Emater

SEMINÁRIO DE INOVAÇÃO
14h - Rotulagem de alimentos: da legislação à inovação - Professora Doutora Daiana de Souza, Unisinos
15h - Inovação em alimentos: a ciência gerando novos negócios - Professora Doutora Renata Cristina Ramos, Unisinos
16h - Coffee break com expositores
16h30min - Inovação – a arte de fazer diferente - Cristina Lenhardt, Tacta Foods School
18h - Interação com fornecedores

 


Crédito: Clarissa Jaeger

voltar

Resultado da loteria

Extração nº 5225
Realizada em 21/10/2017
1º - 00703
2º - 81785
3º - 63550
4º - 57945
5º - 61010

Recados

14/10/2017 10:22:28
MARCO HENRIQUE SCHRÖER
TOCA UMA MUSICA DAS MINHAS DO NHEGO SHOW PARA TODOS LIGADOS NA RADIO. SE POSSIVEL PODE SER O VELHO CASARÃO DO CD VOL 1.

07/10/2017 08:19:00
lacir freisleben
toca uma musica dos colonos

01/10/2017 10:03:23
ivonir costa da silva
pq só tem medico de plantão

30/09/2017 15:26:32
Licéria Pereto - Dois Irmãos
Sempre na escuta pela Internet. Pode escolher uma música pra mim. Abração.


2012 Rádio Tirol FM 87.5 Fone: (51) 3762-3035. Todos os direitos reservados.